Arroz de Caril Malandrinho

Estava numa feira no Entroncamento e fui lá comprar um limeira para no verão fazer umas caipirinhas. Acabei por trazer também uma clementina e uma outra da qual não me lembro o nome, mas que dá uma espécie de nêsperas sem caroço. “Come-se tudo”, dizia a senhora que mas vendeu e que não me engana! Já nos conhecemos para aí há mais de vinte anos.

Noutra banca comprei umas “prantas” de couve tronchuda e grelos de nabo daqueles que amarujam para “prantar” lá no quintal.

* “Prantas” é uma forma popular utilizada no Ribatejo para dizer-mos plantas e “prantar” é de plantar.

Entretanto já era meio-dia e já tinha alguma fome. Vinha um cheiro lá do fundo a frango assado que não dava para acreditar! A Eulalia queria levar um para o almoço do filho e eu trouxe outro para o meu. Era uma roulote que assava tudo, dos coiratos ao frango.

Estavam uns putos a pedir pão com bifanas e salsichas. Era mais carne que pão e ainda reclamavam! Para mim, que nunca tinha comprado frango assado na feira, vou passar a repetir. Estava bem assado e saboroso!

Quando cheguei a casa nem batatas fritas de pacote tinha, só salada de alface (mau de mais para a dieta :-). Tinha lá um pó de caril e umas sementes de cardamomo que o Zé me tinha trazido da Índia. O cardamomo nunca tinha experimentado e este arroz também não.

Era um baby Bom Sucesso que tinha visto já há uns tempos no super, e que por curiosidade tinha trazido para experimentar (arroz para baby?). Percebi a seguir que era um arroz carolino Ribatejano certificado, sem tratamentos químicos prejudicais à saúde. Recomendado para os filhos e para os pais também (digo eu)! O caril vindo da Índia era bom de certeza!?

Como o frango já estava quase frio tive de me despachar!

3

Arroz de Caril Malandrinho (Para 2)

Ingredientes:

3 Mãos de arroz

2 Dentes de alho só esmagados, com pele e tudo

4 Sementes de cardamomo partidas

1 Colher de chá de caril

2 Colheres de sopa de azeite

Mais do triplo de água

Sal grosso

 

Num tacho pequeno, quando a água já estiver a ferver, deite tudo lá para dentro e deixe-o destapado. Espere até o arroz estar quase cozido mas ainda rijo.

O arroz é ótimo, deixou uma goma no caldo inexplicável. Para a próxima como-o com uma colher!

E pronto! Lá marchou o frango muito bem acompanhado. Da salada de alface nunca mais me lembrei!

1

2